CGE – Controladoria-Geral do Estado Santa Catarina

Governo regulamenta Programa de Integridade e Compliance para prevenir corrupção

O Governo do Estado publicou no Diário Oficial desta segunda-feira, 31 de outubro, um decreto que regulamenta o Programa de Integridade e Compliance (PIC), criado pela Lei nº 17.715, de 2019. O objetivo é institucionalizar ações de comprometimento da gestão estadual com a prevenção e o combate à corrupção, e com a integridade e a ética.

A norma prevê a adesão de todos os órgãos e entidades do Governo do Estado ao PIC. A implementação, o monitoramento e a revisão do Programa é responsabilidade da Controladoria-Geral do Estado (CGE). 

O decreto fixa três objetivos para o PIC: estabelecer um conjunto de medidas preventivas para evitar possíveis desvios nas entregas à população; fomentar a adoção de boas práticas de gestão pública, com base na gestão de riscos; e disseminar a cultura da integridade, estimulando o comportamento íntegro dos servidores públicos estaduais. 

Mesmo antes da regulamentação, a CGE já vinha auxiliando os demais órgãos e entidades na implantação de seus Programas. O órgão fez o mapeamento de riscos e apresentou aos gestores, sensibilizando para a adesão voluntária. Ao todo, 45 secretarias e empresas se comprometeram a desenvolver e apresentar Planos com ações de mitigação aos riscos. 

 “Com a regulamentação a CGE poderá organizar e coordenar de modo mais eficiente os próximos ciclos de implantação dos PIC, com foco na gestão de riscos”, explica o Controlador-Geral do Estado, Cristiano Socas da Silva. 

A CGE mapeou mais de 1600 riscos de integridade em todos os órgãos e entidades por meio de diferentes instrumentos, incluindo consulta on-line aos próprios servidores. De posse destes riscos, equipes de servidores nos órgãos e entidades desenvolveram planos de ações para prevenir ou evitar que os riscos comprometam os objetivos das instituições. Os Planos serão entregues em dezembro. 

O mapeamento dos riscos teve quatro fontes: cerca de 2 mil formulários on-line respondidos por servidores estaduais; 107 entrevistas presenciais realizadas com servidores que atuam como Pontos Focais e Controles Internos nos órgãos e entidades; relatórios do sistema E-Prevenção, coordenado pelo Tribunal de Contas da União; dados e evidências levantadas em atividades das demais áreas da CGE ( Auditoria-Geral, Corregedoria-Geral e Ouvidoria-Geral).

“O grande objetivo de um Programa de Integridade é desenvolver a cultura da integridade. Mas ele também é uma ferramenta poderosa de gestão, na medida em que ataca riscos que podem trazer diversos prejuízos à instituição. O sucesso depende do comprometimento da alta direção e de um monitoramento contínuo”  explica Carlos Petiz Junior, diretor de Integridade e Compliance da CGE.

Entenda o que é o Programa de Integridade e Compliance

Integridade é o alinhamento e a adesão a valores, princípios e normas éticas comuns que sustentem e priorizem o interesse público sobre os interesses privados no setor público. O ponto de partida para a elaboração do PIC é a avaliação dos riscos de integridade, seguido de medidas para seu tratamento. 

O decreto define riscos de integridade como vulnerabilidades institucionais que podem favorecer ou facilitar a prática de atos de corrupção, fraudes, subornos, irregularidades, infrações, abuso de poder, assédios e desvios éticos ou qualquer outra conduta que possa impedir, atrasar ou prejudicar a correta atuação dos órgãos ou das entidades.

Após avaliar os riscos, as instituições definem procedimentos, ações ou medidas para evitar, mitigar o risco. Na sequência, elaboram uma matriz de responsabilidade, documento no qual identificam os responsáveis pela implementação. Por último, estruturam o Plano de Integridade, que inclui as medidas de tratamento dos riscos, incluindo campanhas, treinamentos, monitoramento dos resultados e ajustes. 

O Programa de Integridade e Compliance prevê ainda a elaboração do Código de Ética do Estado e dos códigos de conduta, estes últimos específicos para cada instituição. O Código de Ética reúne as diretrizes gerais de integridade pública a serem observadas por todos os órgãos e as entidades da Administração Pública Direta e Indireta, exceto aquelas sujeitas a regramento próprio. 

Informações:

Cléia Schmitz

Assessoria de Imprensa

Controladoria-Geral do Estado

E-mail: cschmitz@cge.sc.gov.br

Fone: (48) 99128-1980

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support